Pages

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O social e o roligioso

Queridos, a religião que faz parte do convívio ético moral e construtivo da população, ela deve ser a defensora da justiça. É nessa construção de novos seres voltados para a paz e o dialogo. A questão da defesa social dos seres é obrigação da religião, pois se ela zela por todos e luta pela paz global, ela tem  a obrigação de discutir e zelar pelo bem estar social, não só de seus fiéis mas também de toda humanidade.
No ano de 1962 foi decretada a organização de uma reunião pela Igreja católica apostólica romana onde uniu não só cristãos católicos mas também cristãos protestantes e de outros creres fora do contexto cristão. Nesta reunião que foi um concilio ecumênico chamado Vaticano II foi discutido e posto em pauta a questão social e as condições de sobrevivência no mundo todo. A partir desta reunião extrema nasceram grupos religiosos lutando contra a fome, miséria extrema e todo tipo de pobreza e discriminação social e racial que age até os tempos de hoje trabalhando no planeta inteiro.
A religião tem a obrigação de velar pela sociedade. O cristianismo segue a seguinte afirmação:


“Se o próprio cristo instituiu a sua igreja terrena como instrumento e certeza da salvação ela tem a obrigação de defender a sociedade e zelar pela justiça e proteger o povo dos critérios dos poderosos corruptos!”


Jesus cristo é exemplo de ação social, Deus acima de tudo mostra a ser grande interventor nas ações sociais, pois na historia do novo testamento vemos o messias encarnado e se fazendo pobre se colocando como qualquer outra pessoa do seu tempo. Cristo foi e espelhou palavras de fé e fraternidade. Ele ensinou o guloso a partilhar, ensinou o homem a perseverar o bem e dar valor na família, deu a paz a quem sofria, ensinou a perdoar a quem nos deve e ensinou a amar uns aos outros.
Uma carta escrita por um grande líder religioso nos anos 70 que é o grande papa Paulo VI conhecida como Populorum progressio nos diz e nos lembra que apesar das diferenças sociais econômicas e financeiras nós temos que lembrar que somos meros imortais, que um dia iremos morrer e deixar tudo o que nós conseguimos em bens matérias aqui na terra. O papa também ressalta que a justiça é fonte de um amanha melhor, que a paz verdadeira esta no ato de ajudar e não de jugar!
Queridos, tempos difíceis são esses onde o dinheiro e a corrupção reinam deixando os menos favorecidos para segundo plano. A justiça terrena é cega e humana, por isso que ela é a dona de inúmeras falhas!
Mas uma coisa eu digo com toda a certeza, a justiça terrena é falha, mas a divina é perfeita. Deus é pai da justiça, pois dela vem o amor por nós, que ele calorosamente nos chama de filhos. A ele pertence tudo o que é correto e puro!
Não devemos abaixar a cabeça para as calamidades e corrupções do mundo, temos que ter voz, pois a voz do povo é a voz de Deus. Lutando pela justiça igualitária sem violência, pois Paulo na carta aos romanos diz:


“Não se deixem vingar com o mal, mas vençam o mal com o bem!”


Aquele que zela pelo amor maior não luta só em seu favor, mais sim por todos que defendem a mesma causa. Também não luta com espadas e armas porque o pai da violência são as trevas. O homem que luta contra a injustiça social luta com sua boca, a força da palavra do injustiçado é o começo para que a justiça justa reine e faça o seu devido trabalho.
Contamos sempre com a ajuda de Deus pois ele é a razão do existir, entregamos a ele toda a injustiça para que ele nos de a paz!


“Deus é eterno e senhor da justiça!”


“Portanto, a ira de Deus é revelada dos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprirem a verdade pela justiça”
Romanos 1-18

Lucas de Almeida Moraes


Nenhum comentário:

Postar um comentário