Pages

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Sacrifício em nome de Deus!

Amigos, a tempos penso em escrever este texto para vocês, mas agora resolvi por em pratica os meus pensamentos, e com as palavras tentar explicar para vocês o que venho pensando. Existe uma idealização teológica, que o martírio e sofrimento servem como sacrifício e reflexão, para uma oração pessoal, onde a dor é usada como instrumento para “se igualar a dor e chegar mais perto de Deus”.
A cada dia esta teologia do sacrifício é pregada por certas religiões e grupos que particularmente eu chamaria de fanáticos, que dizem que o sangue limpa o corpo de todas as impurezas pecaminosas, e pela dor do sacrifício se abre as portas do céu para a salvação própria.
Mas saibam que esta idealização é incorreta, e não é aceita por Deus. Se Deus concordasse com isto, nós iríamos quase totalmente contra todo o novo testamento. E lembro a vocês que a igreja usava esta pratica, mas também como muitas corporações e instituições foram crescendo ideologicamente para o futuro voltado corretamente e cautelosamente para o que a palavra de Deus diz.
Cristo ensina-nos o sentido que tem para os cristãos o sofrimento e o sacrifício. Sofrer tem sentido para os cristãos não porque nosso Deus aprecie que as pessoas sofrem. Ou porque necessite do sofrimento humano para aplacar-se em sua ira contra os pecados dos homens. Isso não é acolhido pela cristandade.
Na verdade o sofrimento tem sentido no cristianismo como luta contra o próprio sofrimento. Jesus Cristo querendo ou não sofreu porque se empenhou em lutar contra o sofrimento dos que estão em pior situação na vida. Jesus lutava pela justiça em um tempo que a injustiça imperava. Em outras palavras, o sofrimento cristão é solidariedade. E como tem de levar a sério a solidariedade, os cristãos muitas vezes terão de sofrer e pagar caro para essa solidariedade.
Jesus nos apresenta um Deus diferente, um Deus que perdoa e salva, o pai da misericórdia e da solidariedade, quebrando vários conceitos religiosos rigorosos da época. Jesus veio para mostrar que os tijolos que erguem o reino de Deus não são feitos de sofrimento em si, mas sim de ajuda ao próximo, da pratica do bem, de quem abençoa em vez de amaldiçoar. Isso tudo automaticamente engloba na pratica continua da solidariedade. Mas é preciso saber que a solidariedade necessita muitas vezes do sofrimento para que se concretize esta meta.
Sofrer é um processo de salvação, pois nos dias de hoje a globalização não sai mais da cabeça do homem, e Jesus e Deus são vistos como uma matéria especificamente da igreja. E se você chegar até essas pessoas para falar de Deus, elas o darão as costas como agradecimento, e convenhamos que isso é uma causa de frustração e sofrimento, pois pessoalmente é. Quantas e quantas pessoas sofrem e sofreram em nome de Deus! Chegaram a dar a suas vidas e os seu sangue para que um dia todos os povos tivessem acesso a palavra de Deus, que antigamente eram queimadas nas fogueiras do império romano pagão.
O próprio Jesus é o revolucionário desta ideologia do sofrimento, porque ele mesmo foi exemplo de amor e solidariedade, e por isto sofreu. A mesma coisa aconteceu com Pedro, Paulo, João, Timóteo e outros pregadores da palavra, que para falar de Deus e ter Deus em si próprio sofreram as pressões de seu tempo.
Homens foram perseguidos e caçados porque pregavam o evangelho, e deste sofrimento faziam o seu apoio e motivação, para que no outro dia ele falasse mais de Deus para as pessoas.
Um exemplo disto sou eu. Não falo isto para me vangloriar mas que vocês tomem um pouco de mim como exemplo. Quantas e quantas vezes eu fui xingado e mau visto pelas pessoas que me rodeiam, porque eu falo de Deus! Mas tomei o conhecimento que em muitas pessoas a verdade dói. Neste blog eu já fui criticado por falar da verdade. Mas isso não me atinge, pois eu sei que a verdade dói, e não vou deixar de falar de Deus, pois fiz do meu sofrimento pessoal o meu apoio, e este apoio esta na palavra que Deus me passou para que eu passasse para quem quiser ler e ouvir.
Por isso quando for falar de Deus e ser motivo de chacota como eu já fui, entenda que faz parte de um processo, um ciclo, um sofrimento que não emotivo de condenação, mas sim salvação.
Já dizia nos anos quarenta, nos sangrentos anos da guerra, alguém que eu admiro pela firmeza. O papa Pio XII em um discurso disse o seguinte:

“O sofrimento em nome de Deus não é em vão, mas sim uma causa de salvação própria e do próximo!”

“Pois Deus enviou o filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele.”
João 3, 17

“Pois a vocês foi dado o privilegio de não apenas crer em Cristo, mas também de sofrer por ele”
Filipenses 1, 29

3 comentários:

  1. Parabéns Lucas:D Muito bem argumentado e realmente é o que acontece no nosso cotidiano !
    beeijks

    ResponderExcluir
  2. Brigado sussu, fico feliz de você ter gostado e entendido! bjus

    ResponderExcluir
  3. gostei mano
    nunca tinha pensado nisso '-'
    muito bom

    ResponderExcluir