Pages

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Amando além da genética


Meus queridos amigos leitores, fico lisonjeado e feliz de os ter mais uma vez dirigir a palavra até vocês, e também alegre por mais uma visita especial.

Também hoje irei tocar em um assunto bem delicado, que a igreja como educadora e portadora dos ensinamentos de Jesus Cristo, deve também recorrer e auxiliar uma atitude de extrema prova de amor com o próximo; a ternura por outro ser humano, que mesmo nascendo de outra mulher, foi adotado e recebeu o calor de um lar, de uma família para ser amado e aprender amar. A adoção é um ato que expressa um amor intenso, uma forma de não somente ajudar, mas sim cooperar com um mundo melhor, que em tempos atuais da mais valor as riquezas do que a própria vida, um mundo que se importa mais com seus bancos e poupanças do que a fome e miséria de pessoas que também são como nós, e merecem o direito de viver como iguais!

A adoção tira crianças e jovens que iriam ter um caminho em trevas nas drogas, nos vícios, na prostituição e outras coisas terríveis. Mas quando se tem uma família para se auxiliar e ajudar muda completamente a historia desses garotos e garotas, que infelizmente muitos não tem um futuro de glórias, mas sim de perdição e decepção. É lindo ajudar um mundo melhor, dando oportunidades de um ser crescer e saber o que é a presença de uma figura materna e paterna, de saber o que é uma família!

Adotar pode ser visto como um pequeno ato para alguns, mas quero dizer que estão muito enganados, pois a grandeza para se tornar grande teve que um dia que ser pequena, e como diz o grande pregador , Paulo na carta de Gálatas:


“Um pouco de fermento leveda toda massa”
Gálatas 5, 9    


Pequenos atos podem mudar o mundo, e não tenha duvida disso! Um feito pode fazer a diferença sim! Vejo hoje tantos pais preocupados e horrorizados porque não conseguem ter filhos por problemas pessoais, vivem tristes e desmotivados, mas tem a oportunidade de fazer com que o amor aconteça, adotando uma criança e tendo a prazerosa sensação de chamá-lo de filho!

Meus queridos, mãe e pai não é somente aquele que faz e gera durante nove meses, mas também aquele que cria e da amor. Quantas e quantas crianças e jovens foram criados por pessoas que se orgulham de ser chamados de pai e mãe. Essa pessoa criada sente o mesmo amor que um filho biológico pode sentir. A gratidão rompe as barreiras dos conflitos e dos desentendimentos, a gratidão une laços que não são sanguíneos, mas são da alma!

“O sangue talvez não seja o mesmo, mas pela graça de Deus a alma se une e se iguala, tornando se uma família!”

Quero também dirigir algumas palavras as pessoas que fazem a política deste pais chamado Brasil acontecer. 
Sabe meus amigos, adotar uma criança e um adolescente hoje não é nada fácil, existem inúmeros processos que levam anos para se concluírem, uma burocracia cansativa e desgastante, fazendo com que pessoas desistam de adotar! Quero que saibam que, enquanto papeis ficam em arquivos empoeirados apodrecendo pelo tempo, crianças e jovens necessitam de amor, e a cada dia que se passa esta esperança vai se esgotando, se sentem um lixo que ninguém quer resgatar da lixeira. Por este fato, é preciso que o processo de adoção seja mais rápido! É claro, não quero dizer que pode se dar uma criança e um adolescente para o primeiro que passar e pedir uma, como se fosse em um mercado, mas que seja mais rápido possível dentro dos conformes da lei, que foi feita para auxiliar e não piorar.

Uma coisa que me preocupa muito são pessoas revoltadas porque foram adotadas e criadas como filhos biológicos, cresceram e ficaram sabendo do acontecido. Por isso pais, não esconda a verdade dos filhos de vocês. O dialogo ainda é e sempre será uma forma de conhecermos a paz, de chegarmos a igualitariedade e reconhecer que todos nós erramos e também que podemos perdoar uns aos outros, como uma família universal cuja Deus é o pai de todos. Lembre-se que o erro esta empreguinado em nós, e é preciso compreender isso, entender que faz parte de nossa natureza meramente humana. Mas Deus nos da oportunidade de gerar perdão. Então meus amigos, especialmente aos filhos que receberam a noticia que o sangue que corre em suas veias os separa de seus pais, entendam que a paternidade e o amor maternal não são somente gerados pela presença de um calor “sanguíneo”, mas também pela convivência, pelo carinho e cooperação, que fizeram homens  que hoje são honrados e firmes na fé, que hoje tem suas famílias, seus filhos e suas vidas normais e felizes. Por isso não caiam na revolta, sejam gratos!

O milagre da vida não é somente aquilo que se faz em nove meses, mas também viver em harmonia, viver os momentos como se fosse o ultimo instante, o ultimo respirar, o ultimo sorriso, o ultimo abraço e o primeiro eu te amo! O milagre da vida é celebrar a existência com quem se ama. Por essa causa ame quem te ama, e de carinho a quem te oferece amor.

“E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimaremos.” 
Gálatas 6, 9 

Lucas de Almeida Moraes. 

--
Boa noite!

Meu nome é Larissa, sou amiga do Lucas - moderador do blog - e como recentemente ele mudou-se para a mais nova casa e bênção em sua família, está sem internet. Hoje, ao invés de comentar, acrescentarei minhas palavras nessa postagem.

Um dos significados da palavra "família" no dicionário é: "Todas as pessoas do mesmo sangue, como filhos, irmãos, sobrinhos etc.". Esse significado também é empregado na Biologia para o estudo de individuos que vivem coletivamente. Porém, o avanço científico humano nos mostra que a genética não é somente o que define uma família, já que os laços sanguíneos por si só não barram mais nada: doação de sangue, medula óssea e orgãos não estão mais limitados à família do enfermo, resultando em milhares de vidas salvas anualmente. As famílias que aceitam doar o que um dia perteceu fisicamente ao ente querido, ou mesmo contribuir com o Hemocentro, estão cumprindo plenamente uma passagem descrita no Livro Sagrado:  Ama o teu próximo como a ti mesmo (Lv 19,18).

Uma outra forma de amor ao próximo é a adoção. Da mesma forma que você pode salvar a vida de uma pessoa sem mais nenhuma expectativa ao ser doador de medula óssea, ao acolher no seio da família e encher de esperança um pequeno habitante do mundo, você pode não perceber, mas deu-lhe a chance de viver, renascer e criar fé. Ao mostrar ao teu filho de coração o verdadeiro significado de família, uma esperança nasce para o mundo cheio de tristeza e infelicidade. Nos momentos de amor, tiramos a certeza de que, embora poucos, são firmes e sólidos como mármore os ensinamentos do Senhor Jesus Cristo pela Terra.

Infelizmente, alguns casais não podem geram filhos geneticamente. Já vi testemunhos de pessoas que passam a descrer no poder dEle quando suas tentativas de terem filhos são consecutivamente falhas. Na realidade, o que é falho é a percepção dessas pessoas, que não se deram conta de que os filhos que Deus as mandou veio pelo ventre do próximo, cheios de amor para dar e receber.

"Genética não é definição de amor."

Há alguns anos, vemos que muitas personalidades que constantemente aparecem na mídia sentem em seus corações a necessidade da adoção. Pessoalmente, acho que além do bem para as próprias famílias, essas pessoas mostram para a população a sua realidade, mesmo que em fragmentos, de quem adota e acaba percebendo ou sentindo que é sua vez de fazer o mesmo. Quanto mais a mídia mostrar que nós, humanos, somos capazes de amar quem não é da mesma nacionalidade, classe social, cultura e/ou etnía, mais atos de compaixão acabarão por dar lares felizes a quem tanto anseia e deseja tê-los.

Madonna e seus filhos Lourdes Maria, Rocco e David Banda, adotado no Malaui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário