Pages

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

O natal e o cristianismo

Nem sempre foi assim!

        Queridos amigos, novamente aqui estamos para um momento onde colocaremos o nosso verdadeiro valor cristão em pratica, onde buscaremos entender mais da nossa tão rica e preciosa fé. Como vocês podem perceber ultimamente estamos postando textos com caráter histórico, pois chaga até nós inúmeras perguntas de leitores e amigos que querem saber mais sobre a igreja dentro da historia da humanidade. Hoje não será diferente, pois quero responder a pergunta de uma amiga, Aline Cardoso, que perguntou se o Natal é realmente uma festa cristã.
        Primeiramente já queria ir logo responder a pergunta. Realmente não, o natal não foi originalmente adotado pelo cristianismo , pois avia outras religiões que comemoravam o natal, mas de modo totalmente diferente de nós cristãos.
        O natal, dizem os historiadores, é uma festa antes de Cristo, que era celebrada pelos povos pagãos.  Eles celebravam nesta época o nascimento do deus sol, que de fato era comemorado anualmente pelo império romano, que ainda caçava o que eles chamavam de “seita cristã.” Logo depois que o imperador Constantino chegou ao pico do poder sobre todos os domínios romanos, ele ordenou que parasse a perseguição aos cristãos, e também ele se converteu ao cristianismo, assim como ele transformou seu vasto império que um dia marchou sobre o sangue dos mártires em um território cristianizado. Naquele tempo ainda avia inúmeros pagãos, e isso era um fator preocupante para a cristandade, nisso Constantino mandou erguer em Belém a Basílica da Natividade, no ano de 326, na qual esta de pé até os dias atuais, onde é o local onde Cristo nasceu. Também neste tempo para facilitar a conversão dos pagãos para o cristianismo, o imperador teria transformado no ano de 330, a tradicional festa pagã do deus sol na festa cristã que conhecemos hoje, cuja o principio era colocar o dia 25 de dezembro como a festa do nascimento de Jesus Cristo.
Imperador romano Constantino.
         Com isso como a Igreja católica que por fatos históricos foi a primeira igreja cristã, já tinha sua devida participação no império, e no ano de 337 o papa Julio I teria oficializado a comemoração do nascimento de Cristo na data de 25 de dezembro.
       Queridos, depois de analisarmos fatos históricos eu faço as seguintes perguntas:

Nós sabemos realmente o dia em que Jesus nasceu? Não, não sabemos.

Transformar uma festa pagã em uma festa cristã é errado? A resposta também é não.

          Amigos, não a problema em destacar um dia para celebrarmos o nascimento daquele que de verbo se fez carne. O conflito não é colocar o cristianismo triunfante sobre o paganismo, mas sim colocar o paganismo sobre o cristianismo. Cristo triunfa com a verdade, pois toda verdade derrota a mentira, e o paganismo de fato vivia uma mentira. Jesus é um ato concreto, e o deus sol é um ato inserto, ou melhor, inexistente. E eu pergunto: É errado vangloriar a Deus e dar o seu devido lugar sobre todas as “criaturas imaginarias humanas”? Não!
          A igreja que já não era mais primitiva entendeu a voracidade do problema, e por isso sobre nenhum delito colocou Cristo no centro, como aquele que nasce da luz e sai vitorioso contra as trevas.  
É claro, não podemos deixar de destacar que ouve um choque cultural muito grande na sociedade imperial, mas temos que lembrar que ser cristão é isso: estar disposto a sofrer grandes mudanças.
        Não foi errado cristianizar o natal, muito pelo contrario, foi um dos instrumentos que mais trouce benefícios para inúmeras conversões verdadeiras, de um povo idolatra que passou a reconhecer um único Deus, presente no Pai, Filho e no Espirito Santo, encarnado na pessoa de Jesus Cristo, que era Deus, e veio abitar no meio de nós.  
        Por isso amigos, natal é tempo de mudanças drásticas, onde eu deixo o meu eu e parto para uma vida mais regrada, com valores, com amor que é ágape. Realmente historicamente dizendo, Cristo não nasceu na data do natal, mas que nesse tempo em que somos iludidos pelas luzes do mundo e seu brilho intenso do consumismo nós possamos das lugar a luz de Cristo, aquela que permanece acesa até depois das festas, a luz que ilumina caminhos, a luz que esta em cada um de nós, a luz que nasce em nossos corações.
      Que neste natal Jesus possa nascer no seu coração!

“A luz brilha nas trevas, e as trevas não a derrotara.”
João 1, 5

“Estava chegando ao mundo a verdadeira luz, que iluminava todos os homens.”
João 1, 9

Lucas de Almeida Moraes   

Nenhum comentário:

Postar um comentário