Pages

sábado, 24 de dezembro de 2011

O Verbo se fez carne

          Queridos amigos, hoje gostaria de lembrar e lhes deixar uma mensagem, cuja o centro é Cristo, aquele que nasceu na figura humana, realizando o mistério da encarnação, onde Deus tem rosto, e este rosto de fato é o rosto de Jesus Cristo.
          Natal, festa bonita, luzes, decorações e união da família. Estes são sentidos e símbolos lindos que nos cercam neste fim de ano. Contudo rodeados pelas luzes natalinas e pelas lojas eufóricas esquecemos a centralidade do natal, que nos remete a lembrar do nascimento terrestre de Cristo, pois naquele momento a vinda do Messias tão esperado se faz presente na nova aliança, onde não é o homem que vai até Deus, mas é Deus que vem até o homem, em socorro da nossa misera raça, para iluminar as nossas faltas por sua morte sofrida.

“O povo que caminhava em trevas viu uma grande luz.”
Isaías 9,2

            Cristo de fato é a luz que veio iluminar os homens que caminhavam nas trevas, e foi naquela noite em Belém que a luz brotou de uma promessa na qual Deus nos dirige no velho testamento. Naquela noite a 2000 anos atraz, todo o universo se curvou diante daquela criança para adorar o filho de Deus, que fez da sua simples manjedoura o seu mais belo e majestoso trono, e daquela estrebaria simples e cheia de animais fez seu castelo, onde o príncipe descansava sobre a sombra dos anjos que cantavam glorias a Deus.
Jesus se fez em uma criança, a demonstração da doçura e da pureza. Daquele pequeno ser partiria uma das mais belas demonstrações de amor para com o próximo , e de fato Deus se fez homem por amor a nossa natureza que ele mesmo criou, e de certa forma com sua “limitação divina” quis se igualar a nós, para que de maneira muito especial nós possamos ir até ele como homens que partilham da mesma natureza.
            O verbo se fez carne e abitou no meio de nós, aquilo que era uma esperança, uma espera secular se torna finalmente realidade. De fato esta realidade é muitas vezes esquecida, se torna algo guardado somente nos livros e nas pouquíssimas famílias que levam este acontecimento tão importante a sério.
            Natal não é aquele mega consumismo como é passado para nós. Natal não são somente guirlandas, arvores enfeitadas e luzes decorativas. Natal é estamos reunidos para celebrar a vida, celebrar o amor de Deus, que é demonstrado pelo seu ato benéfico que tras a salvação até nós! Convido vocês a lembrar neste natal que a luz que é Jesus Cristo é maior do que as luzinhas decorativas, que Jesus é maior que o consumismo, pois ele é a maior coisa que o homem pode ter para si, e Cristo é gratuito! O consumismo excessivo cada vez mais desaproxima os homens trazendo consigo a desigualdade e a injustiça. Vamos lembrar neste natal as nossas crianças que Jesus é maior do que a figura mitológica do papai Noel, e que Jesus nasceu para que viesse demonstrar o seu amor bem de pertinho. Cristo, uma criança deitada em um aglomerado de palha se torna maior que tudo aquilo que nossos olhos podem ver, pois ali esta exposta a nossa salvação. Jesus veio ao mundo para que o próprio mundo seja salvo por ele.

“Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, o governo está sobre seus ombros. Ele será chamado Maravilhoso Conselheiro, Deus forte, Pai eterno, Príncipe da Paz.”
Isaías 9,6

         O nosso salvador nasceu para todos. Devemos proclamá-lo não somente com palavras, mas também com toda a nossa vida, dando ao mundo o testemunho de comunidades unidas e abertas, nas quais reina a fraternidade e o perdão, a acolhida e o serviço reciproco, a verdade, a justiça e o amor.
         De fato o que temos de amostra histórica da nossa fé em Cristo e seu nascimento é a bíblia, e é a escritura que nos leva a imaginar aquela noite em Belém, onde Jesus não era um homem forte, mas apenas um pequenino que já era merecedor das mais belas honras. A bíblia é como uma manjedoura, e feliz ´q aquele que abre a bíblia e acha o tesouro, mas se não abrir a bíblia crendo que ali esta o tesouro você achara somente a palha.

“E o verbo se fez carne e habitou entre nós”
João 1,4

         Natal é deixar o homem velho e nascer denovo, deixando para traz as nossas faltas perante ao nosso próximo e levantar a cabeça caminhando rumo a estrela guia de Belém, aquela que nos levara até Cristo, o menino que carrega consigo a grande responsabilidade de ensinar seu povo o que é amor, justiça e perseverança.
         O que Jesus nos mostra quando esta naquele estabulo, rodeado de animais e palha, ele transforma toda a pobreza em riqueza, pois tudo o que Jesus tocou perdeu o seu misero sentido e foi tomado por uma vida nova, uma vida rica. Ele quis ser pobre para andar no meio dos pobres, não somente os pobres de matérias, mas também os pobres de espirito, aqueles que por fora estão robustos, mas com a alma totalmente estragada. Jesus nasce em um lugar miserável e  transforma em palácio, assim como ele fez com vários homens e mulheres, tirando este povo do lixo e os levou aos altos méritos da salvação. Cristo é como aquele que pega o esterco que não servia para nada e joga sobre a terra fazendo assim nascer a mais bela e formosa flor.

“Cristo veio até nós na fragilidade de uma criança, mas também veio forte para pisar sobre a cabeça da serpente.”

        Amigos, talvez historicamente falando, Jesus não tenha nascido nesta data, mas de maneira muito especial ele poça nascer no seu e no meu coração, como uma criança frágil, que precisa de cuidados para não se perder. Lembro que natal é família, estar reunido com quem se ama, estar com quem quer o nosso bem e repartir o que temos com os que não tem nada.
        Lhes desejo um feliz natal com Cristo, e que ele poça ser a luz que destrói as trevas presas em seu coração!

“Estava chegando ao mundo a verdadeira luz, que iluminava todos os homens.”
João 1,9

Feliz Natal!

Lucas de Almeida Moraes 


Toda a humanidade se curva em direção a Belém para receber o salvador. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário